Caso Antonieli: Filho da mulher morta por homem casado completou três anos no dia do enterro da mãe



Antonieli Nunes Martins, morta por um homem casado que não queria assumir o bebê que ela estava esperando, deixou um filho de três anos. Segundo familiares, a criança fez aniversário no dia que a mãe foi enterrada, na última sexta-feira (4).

Gabriel Henrique Santos Souza Masioli confessou ter imobilizado a vítima com um mata-leão enquanto eles estavam deitados de 'conchinha'. Em depoimento, ele contou que só soltou a vítima quando não sentia mais o braço. Quando percebeu que Antonieli ainda estava viva, Gabriel a esfaqueou no pescoço com uma faca de cozinha. Na noite do crime, o filho de Antonieli estava sob os cuidados da avó na casa de um familiar. Segundo os parentes, o garotinho percebeu que a mãe não está mais viva sem que ninguém contasse. "No dia do velório ele falou pra mim: 'minha mãe morreu"", relembra um familiar da vítima que prefere não se identificar. Atualmente a mãe de Antonieli assumiu os cuidados permanentes do neto com apoio do restante da família. De acordo com os familiares, praticamente ninguém sabia que Antonieli estava grávida novamente. O suspeito relatou à polícia que ela entregou para ele uma caixinha de presente com o teste de gravidez e uma roupinha de bebê escrito "parabéns vovô" e prometeu que depois compraria uma com a frase correta, que seria "parabéns papai". Eles teriam rido e comemorado a novidade.

Um dia depois, na quarta-feira (2), o suspeito pediu para se encontrar com a vítima, após sair do expediente na empresa. Eles foram para a casa alugada, onde Antonieli foi encontrada morta em cima da cama. Gabriel alegou que teve uma ‘crise de ansiedade’ e começou a matar Antonieli. Para a família, é inexplicável a saudade de Antonieli e a dor de imaginar tudo que aconteceu com ela. Agora, o que eles pedem é Justiça.

"Como que um cara mata seu próprio filho? É algo inaceitável, impossível de acreditar", relata um dos familiares. Fonte: G1/RO

Sem-título-1.png